Psy

"Só algumas pessoas escolhidas pela fatalidade do acaso provaram da liberdade esquiva e delicada da vida" "Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa, ou forte como uma ventania, depende de quando e como você me vê passar" "Clarice Lispector"

1.10.07

Dhammapada



Trechos


33. Este coração volúvel e vacilante, difícil de guardar, difícil de refrear,
O homem inteligente endireita assim como o armeiro a seta.

34. Qual um peixe tirado de seu meio aquoso e lançado sobre a firme terra,
Debate-se este coração para furtar-se ao domínio de Mara.

35. A mente é difícil de conter, é ligeira, esvoaça para onde lhe apraz.
Dominá-la é bom; uma mente domada é conducente à felicidade.

36. O pensamento é muito difícil de ver, sutil ao extremo e esvoaça para onde lhe apraz.
Que o homem inteligente o guarde; um pensamento preservado é conducente à felicidade.

37. Indo longe, vagueando solitária, incorpórea, sediada na cavidade (do coração), assim é a mente;
Os que controlam a mente são liberados dos liames de Mara.

38. Aquele cujo coração é instável, aquele que não conhece o bom Darma,
Aquele cuja confiança vacila, a sabedoria deste a plenitude não alcança.

39. Aquele cujo coração está livre de luxúria, aquele que não tem perplexa sua mente,
Aquele que suprimiu o bem e o mal -- não há temor para este vigilante.

40. Compreendendo que este corpo é (tão frágil) quanto uma jarra,
Estabelecendo este coração tão firme quanto uma cidadela,
Que ele ataque Mara com a arma da sabedoria;
Que ele proteja sua conquista, e que não se apegue a coisas mundanas.

41. Dentro em breve, ai! este corpo jazerá sobre a terra,
Desprezado, desprovido de consciência, qual um toro podre.

42. O que quer que um inimigo possa fazer a um inimigo, ou um odiento a um odiento,
Pior ainda lhe fará um coração mal dirigido.

43. O que nem mãe, nem pai, nem outros parentes podem fazer,
Da melhor maneira lhe fará um coração bem dirigido.


Imagens da Ne

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

No amor, nem sempre são as faltas o que mais nos prejudica, mas sim a maneira como procedemos depois de as ter cometido. "Oví­dio"