Psy

"Só algumas pessoas escolhidas pela fatalidade do acaso provaram da liberdade esquiva e delicada da vida" "Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa, ou forte como uma ventania, depende de quando e como você me vê passar" "Clarice Lispector"

14.11.07

O Prazer

Everything But Love © Axel Bueckert



O prazer é uma canção de liberdade,
Mas não é a liberdade.
É o desabrochar de vossos desejos,
Mas não o seu fruto.
É um abismo olhando para o cume,
Mas não é nem o abismo nem o cume.
É o engaiolado ganhando espaço,
Mas não é o espaço que o envolve.

Sim, na verdade, o prazer é uma canção de liberdade.
E de bom grado eu vos ouviria cantá-la de todo vosso coração; porém, não gostaria que perdêsseis vosso coração no canto.
Alguns de vossos jovens procuram o prazer como se fosse tudo na vida, e são condenados e repreendidos.
Eu preferiria nem condená-los, nem repreendê-los, mas deixá-los procurar. Pois encontrarão o prazer, mas não só ele.
Sete são suas irmãs, e a última dentre elas é mais bela que o prazer.
Não ouviste falar do homem que cavava a terra à procura de raízes e descobriu um tesouro?
E alguns de vossos anciãos recordam seus prazeres com remorso, como se fossem erros cometidos num estado de embriaguez.
Mas o remorso é o escurecimento da alma e não o seu castigo.
Deveriam antes recordar seus prazeres com reconhecimento, como recordariam um colheita de verão.


Untitled © Roger Sonneland



Todavia, se acharem conforto no remorso, deixemo-los se confortarem.
E há entre vós aqueles que não são jovens para procurar, nem velhos para recordar;
E no seu temor de procurar e recordar, desprezam todos os prazeres por medo de afugentar ou ofender o espírito.
Porém, na sua renúncia está seu prazer.
E, assim, eles também descobrem um tesouro embora cavem com mãos trêmulas à procura de raízes.
Mas, dizei-me, quem pode ofender o espírito?
Ofende o rouxinol a quietude da noite ou o pirilampo, as estrelas?
E poderá vossa flama ou vossa fumaça sobrecarregar o vento?
Credes que o espírito é um poço tranqüilo que podeis perturbar com um bastão?

Muitas vezes, ao negardes a vós mesmos um prazer, nada mais fazeis do que represar vosso desejo nos recessos de vosso Eu.
E quem sabe se o que parece omitido hoje não espera pelo amanhã?
Mesmo vosso corpo conhece sua herança e seus direitos, e vós não o podeis iludir.
E vosso corpo é a harpa de vossa alma: A vós pertence tirar dele música melodiosa ou ruídos dissonantes.

E agora perguntais em vosso coração: 'Como distinguiremos o que é bom no prazer do que é mau?'
Ide, pois, aos vossos campos e pomares e, lá, aprendereis que o prazer da abelha é sugar o mel da flor,
Mas que o prazer da flor é entregar o mel à abelha.
Pois, para a abelha, uma flor é uma fonte de vida.
E para a flor, uma abelha é uma mensageira de amor.
E para ambas, a abelha e a flor, dar e receber o prazer é uma necessidade e um êxtase.
Povo de Orphalese, nos vossos prazeres, imitai as flores e as abelhas.

O Profeta - Gibran Khalil Gibran

Untitled © Roger Sonneland

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

No amor, nem sempre são as faltas o que mais nos prejudica, mas sim a maneira como procedemos depois de as ter cometido. "Oví­dio"