Psy

"Só algumas pessoas escolhidas pela fatalidade do acaso provaram da liberdade esquiva e delicada da vida" "Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa, ou forte como uma ventania, depende de quando e como você me vê passar" "Clarice Lispector"

17.1.07

Nós que aqui estamos por vós esperamos








A partir de recortes biográficos reais e ficcionais de pequenos e grandes personagens do mundo, Nós Que Aqui Estamos, Por Vós Esperamos narra a história do século XX. Com 95% de imagens extraídas de arquivos, o filme pretende discutir a banalização da morte e por correspondência direta, da vida.

Curiosidade: o título foi extraído do pórtico de um cemitério de uma cidade do interior de São Paulo.


Vale a pena conferir o filme.








TÍTULO DO FILME: NÓS QUE AQUI ESTAMOS POR VÓS ESPERAMOS (Brasil, 1998)

DIREÇÃO: Marcelo Masagão, responsável também pela produção, pesquisa e edição do
filme

ELENCO: não possui, utilizando-se apenas de imagens; 55 min.

MÚSICA: Win Mestens

Imagens editadas: http://www2.uol.com.br/filmememoria/person.htm



clique na imagem para acessar o site do autor
































































.


























































Nós que aqui estamos por vós esperamos.
De Marcelo Masagão.

Retrospectiva do Século XX.



Assisti à este filme em 1999, pela TV Cultura.
Tocou-me profundamente, tanto que coloquei no papel as cenas que me sensibilizaram. Hoje, graças a internet, consegui reunir imagens (inclusive do filme) e compor, não na sua íntegra, claro, mas o suficiente para provocar em cada um de nós, um estado de reflexão sobre o mundo e a situação em que vivemos.


É tocante a sensibilidade do homem (Marcelo Masagão) que teve a “competência” de reunir os fragmentos da humanidade do Século XX e, sem palavras, nos mostrar a “história”, através da verdadeira imagem da história.

Um filme impar que jamais esquecerei.

Me faz crer que, na verdade, a história sempre se repete.
Hoje, apesar de já termos sofrido (nós e nossos antepassados) todo o estrago de uma guerra, ainda há guerras.
Penso que sempre haverá porque, no fundo, o homem foi e ainda é um dos seres mais inteligentes da terra, assim como o mais cruel, ambicioso, vaidoso e portador do maior poder de (1) criação ou destruição: a Idéia.

Quem são os gênios deste novo século?
As personificações de Hitler?
Os criadores da história?
Os soldados mortos que alimentam a guerra?
Os civis mortos, sem fazerem a guerra?
Os filhos da guerra?
Os promotores da Paz?
Os heróis?
Os “João-ninguém”?
Os revolucionários?
As mulheres que transformam a história?
As crianças que morrem de fome?
Os excluídos do sistema?
E o progresso? O que esperamos neste século?
O que estamos fazendo para o equilíbrio (e manutenção) do ecosistema?

Há uma certeza, porém...
Nós, que vivenciamos a tudo isso, em breve, estaremos convosco, na mesma morada.

Psy


(1) Só alcança criar o que for capaz de destruir e reconstruir. O homem não cria a alma, embora se ache no direito de matar seu semelhante. Ele jamais devolverá a alma ao corpo uma vez que o tenha "matado".

1 Comments:

Blogger Marcos Biazetto diz...

Parabéns!!!!!

7:40 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

No amor, nem sempre são as faltas o que mais nos prejudica, mas sim a maneira como procedemos depois de as ter cometido. "Oví­dio"