Psy

"Só algumas pessoas escolhidas pela fatalidade do acaso provaram da liberdade esquiva e delicada da vida" "Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa, ou forte como uma ventania, depende de quando e como você me vê passar" "Clarice Lispector"

26.11.07


Descobri que minha obsessão por cada coisa em seu lugar,
cada assunto em seu tempo,
cada palavra em seu estilo,
não era o prémio merecido
de uma mente em ordem,
mas, pelo contrário,
todo um sistema de simulação
inventado por mim para ocultar
a desordem da minha natureza.

Descobri que não sou disciplinado por virtude,
e sim como reação contra a minha negligência;
que pareço generoso para encobrir minha mesquinhez,
que me faço passar por prudente quando na verdade
sou desconfiado e sempre penso o pior,
que sou conciliador para não sucumbir às minhas cóleras reprimidas,
que só sou pontual para que ninguém saiba
como pouco me importa o tempo alheio.

Descobri, enfim, que o amor não é um estado da alma e sim um signo do zodíaco.

Virei outro. Tratei de reler os clássicos que me mandaram ler na adolescência, e não agüentei.
Mergulhei nas letras românticas que tanto repudiei quando minha mãe quis me forçar a ler e gostar, e através delas tomei consciência de que a força invencível que impulsionou o mundo não foram os amores felizes e sim os contrariados.
Quando meus gostos musicais entraram em crise me descobri atrasado e velho, e abri meu coração às delícias do acaso.



Gabriel Garcia Márquez


Imagens encontradas na net.

2 Comments:

Anonymous Anônimo diz...

Oi... estou conhecendo o seu espaço...

A alma nao tem fim e nem se farta.

É como os olhos que nunca se cansam de ver...

bjs...

3:05 AM  
Blogger Psy diz...

Que bom que você gosta...
Fico contente.
Sua visita é sempre bem vinda.
É um prazer compartilhar...
Um alegria receber.

Beijos

6:20 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

No amor, nem sempre são as faltas o que mais nos prejudica, mas sim a maneira como procedemos depois de as ter cometido. "Oví­dio"