Psy

"Só algumas pessoas escolhidas pela fatalidade do acaso provaram da liberdade esquiva e delicada da vida" "Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa, ou forte como uma ventania, depende de quando e como você me vê passar" "Clarice Lispector"

8.1.08

O tempo acaba o ano, o mês e a hora,
A força, a arte, a manha, a fortaleza;
O tempo acaba a fama e a riqueza,
O tempo o mesmo tempo de si chora.

Tempo busca e acaba o onde mora
Qualquer ingratidão, qualquer dureza;
Mas não pode acabar minha tristeza,
Enquanto não quiserdes vós, Senhora.

O tempo o claro dia torna escuro,
E o mais ledo prazer em choro triste;
O tempo a tempestade em grã bonança.

Mas de abrandar o tempo
Estou seguro o peito de diamante,
Onde consiste a pena e o prazer desta esperança.





- Que esperais, esperança? - Desespero.
- Quem disso a causa foi? - Uma mudança.
- Vós, vida, como estais? - Sem esperança.
- Que dizeis, coração? - Que muito quero.

- Que sentis, alma, vós? - Que amor é fero.
- E enfim, como viveis? - Sem confiança.
- Quem vos sustenta, logo? - Uma lembrança.
- E só nela esperais? - Só nela espero.

- Em que podeis parar? - Nisto em que estou.
- E em que estais vós? - Em acabar a vida.
- E tende-lo por bem? - Amor o quer.


- Quem vos obriga assim? - Saber que sou.
- E quem sois? - Quem de todo está rendida.
- A quem rendida estais? - A um só querer.

Luis de Camões



Imagens Moon and Back Photography

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

No amor, nem sempre são as faltas o que mais nos prejudica, mas sim a maneira como procedemos depois de as ter cometido. "Oví­dio"