Psy

"Só algumas pessoas escolhidas pela fatalidade do acaso provaram da liberdade esquiva e delicada da vida" "Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa, ou forte como uma ventania, depende de quando e como você me vê passar" "Clarice Lispector"

8.3.10





"Acredito que
o maior presente
que alguém
me pode dar
é
ver-me,
ouvir-me,
compreender-me e
tocar-me.
O maior presente
que eu posso dar
é
ver, ouvir, entender
e tocar
o outro.
Quando isso acontece,
sinto
que fizemos contato"





Nascemos pequenos,
de um homem e uma mulher.
Entre o dia em que nascemos até o dia de hoje,
nós acumulamos
vasta experiência,
que chamamos de passado.

De certa maneira,
tudo o que você fez
até agora,
se ainda estiver entre nós,
funcionou.

Novamente, a pergunta é
quanto isso lhe custou
e
se o preço não poderia ser menor.



Quero amá-lo sem me apossar de você,
apreciá-lo sem julgar,
aproximar-me de você sem invadi-lo,
convidá-lo sem exigir,
não deixar que se sinta culpado,
criticá-lo
sem censura
e ajudá-lo sem insultar.

Se posso receber o mesmo de você
nós dois podemos nos encontrar
e nos enriquecer mutuamente.

Fazer contato envolve duas pessoas
por vez
e três partes
cada pessoa em contato consigp mesma
e com o outro.





No mundo todo, não existe mais ninguém igual a mim.
Há pessoas que possuem alguns atributos iguais aos meus,
nas ninguém é exatamente como eu.
Por isso, tudo que sai de mim é autenticamente meu,
porque fui só eu que escolhi.
Tenho tudo o que diz respeito a mim - o meu corpo e
tudo o que ele faz;
minha mente, com suas idéias e pensamentos,
meus olhos, com todas as imagens captadas,
meus sentimentos, sejam eles quais forem: raiva, alegria,
frustração, amor, decepção, animação;
minha boca, e todas as plavras que saem dela,
delicadas, gentis ou duras, corretas ou incorretas;
minha voz, alta ou suave;
e todas as minhas ações, sejam voltadas para os outros
ou para mim.

Eu tenho minhas fantasias, meus sonhos,
minhas esperanças, meus medos.
São meus todos os meus triunfos e sucessos,
meus fracassos e erros.

Como tudo o que me diz respeito me pertence,
posso me conhecer intimamente.
Fazendo isso, posso me amar e conviver amigavelmente
comigo em todos os meus aspectos.
Posso então fazer com que tudo em mim trabalhe de
acordo com meus interesses.

Sei que há aspectos que me confundem e outros que
não conheço.
Mas, desde que eu goste de mim, vou ter coragem e
ânimo para buscar soluções para os meus enigmas e me
conhecer melhor.

Tudo o que vejo e ouço, tudo o que digo e faço,
tudo o que penso e falo num dado momento sou eu.
Isso é autêntico e representa onde estou nesse
momento.

Quando revejo depois o que o outro pode ter visto e
ouvido de mim, o que eu vi e fiz, o que pensei e senti,
alguns aspectos podem não estar de acordo.

Posso descartá-los e ficar com os que forem adequados
e inventar alguma coisa nova para os primeiros.
Posos ver, ouvir, sentir, pensar, dizer e fazer.
Tenho ferramentas para sobreviver, ficar perto dos
outros, ser produtivo e coerente para ordenar o
mundo das pessoas e das coisas exterior a mim.

Eu sou dono de mim
e, portanto, posso me reformar.
Eu sou eu
e eu estou bem.

Textos de Virginia Satir

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

No amor, nem sempre são as faltas o que mais nos prejudica, mas sim a maneira como procedemos depois de as ter cometido. "Oví­dio"